Instituto Politécnico de Lisboa

ExPOSE: Establishing protocols to assess occupational exposure to microbiota in clinical settings

Gpei

Designação do projeto

ExPOSE: Establishing protocols to assess occupational exposure to microbiota in clinical settings

Código do projeto LISBOA-01-0145-FEDER-023222

Objetivo principal OT 1 - Reforçar a investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação

 

Sumário

Em Portugal verificou-se um incremento na uniformização dos procedimentos de avaliação da exposição ocupacional, no entanto, estes procedimentos não se encontram adaptados às unidades de cuidados de saúde, devido ao risco associado a longos períodos de exposição e grande densidade de ocupação. Deste modo, e de forma a melhorar a saúde pública e reduzir os custos em saúde, os Institutos Politécnicos de Lisboa e Setúbal e as Universidades do Porto e Nova de Lisboa, em estreita colaboração com as unidades de saúde pública, nomeadamente o Centro Hospitalar de S. João no Porto (CHSJ) e os centros de saúde da ARS Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), desenvolveram a presente proposta com o objetivo de avaliar a exposição dos trabalhadores ao microbiota em unidades de cuidados de saúde, tendo como finalidade o desenvolvimento de protocolos e normas para a redução da exposição a agentes microbiológicos e consequente incidência de doenças profissionais, de acordo com o domínio prioritário da Investigação do RIS3 da NUTS II Lisboa e o domínio emergente das Ciências da Vida e Saúde do RIS3 da NUTS II Norte.

No presente estudo, a exposição ao microbiota será avaliada em duas intervenções distintas: a) CHSJ, no Porto; e b) 10 centros de saúde da ARS de Lisboa e Vale do Tejo. Nas auditorias para diagnóstico de situação de exposição a agentes microbiológicos, será assegurada:

  • Caracterização dos locais de trabalho e filtros HVAC, através de uma checklist a ser testada, estandardizada e publicada no âmbito do presente estudo;
  • Medição de parâmetros químicos (CO2, temperatura, humidade relativa, COVs totais, PM2.5 e PM10);
  • Caracterização do microbiota e respetiva resistência a antibióticos e azóis, quantificação de micotoxinas e endotoxinas, e avaliação da citotoxicidade e capacidade pro-inflamatória dos agentes amostrados;
  • Avaliação da exposição ocupacional aos agentes microbiológicos e respetivos metabolitos através de colheitas ambientais (incluindo filtros HVAC) e biológicas (trabalhadores);
  • Avaliação de alergénios nos filtros HVAC e na matéria particulada.

Serão ainda alvos do estudo 50 trabalhadores do CHSJ, 50 dos centros de saúde da ARSLVT e 50 indivíduos controlo, incluindo historial de sintomas de doença ocupacional por questionário, assim como condições de conforto medidas através da perda de água transepidérmica e pupilometria. Serão recolhidas 3 amostras por zaragatoa nasal em cada trabalhador para caracterização da prevalência do microbiota. Os resultados da auditoria, juntamente com a avaliação clinica dos trabalhadores, ajudarão a compreender a influência da exposição ocupacional na saúde dos trabalhadores em ambientes clínicos, permitirão a identificação dos agentes microbiológicos mais relevantes e, consequentemente, o desenvolvimento de protocolos e normas direcionadas para a avaliação da exposição ao microbiota em unidades de cuidados de saúde, estabelecendo mecanismos de intervenção focados em minimizar essa exposição.

 

Região de intervenção Norte, Lisboa

Instituição Proponente Instituto Politécnico de Lisboa

Instituições Participantes Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto; Centro Hospitalar de São João E.P.E.; Instituto Politécnico de Setúbal; Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo I.P.; Universidade Nova de Lisboa

Investigador responsável Carla Viegas | carla.viegas@estesl.ipl.pt

Equipa Ana Monteiro; André Moreira, Anita Quintal Gomes, Carla Dias, Carla Gamelas Reis, Carla Viegas, Cristiana Pereira, Edna Ribeiro, Elisabete Carolino, Inês Paciência, João Cavaleiro Rufo, João Paulo Teixeira, Liliana Caetano, Maria Miragaia, Susana Viegas, Tiago Faria

 

Data de aprovação 02/02/2018

Data de início 01/02/2018

Data de conclusão 03/08/2019

Custo total elegível 148.105,01 €

Apoio financeiro da União Europeia FEDER: 84.935,87 €

Apoio financeiro público nacional/regional OE: 40.953,39 €