Instituto Politécnico de Lisboa

Estudante Internacional

Internacionalização

Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclo de estudos de licenciatura ministrados nas unidades orgânicas do Politécnico de Lisboa (Despacho n.º 48/2014-IPL de 21 de julho)* (Decreto-Lei n.º 36/2014 de 10 de março) e Procedimento para a Admissão de Estudantes Internacionais no Politécnico de Lisboa (Despacho n.º 5/2018).

CALENDÁRIO

vagas licenciaturas

vagas mestrados

Resultados do concurso especial de acesso e ingresso, ao abrigo do estatuto de estudante Internacional do Politécnico de Lisboa (IPL):

Edital de admissão de estudantes na 2.ª Fase - Ano letivo 2018/2019 - 1.º e 2.º ciclos de estudos

Edital de admissão a concurso  2.ª Fase - Ano letivo 2018/2019 -  1.º e 2.º ciclos de estudos 

Quem é o estudante internacional ?

É o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Exceções:

  • Nacionais de um Estado membro da União Europeia;
  • Os que, não sendo nacionais de um Estado membro da União Europeia, residam legalmente em Portugal há mais de dois anos, de forma ininterrupta, em 31 de agosto do ano em que pretendem ingressar no IPL, bem como os filhos que com eles residam legalmente;
  • Os que requeiram o ingresso no ensino superior através dos regimes especiais de acesso e ingresso regulados pelo Decreto-Lei n.º 393-A/99, de 2 de outubro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 272/2009, de 1 de outubro.
  • Frequentem o Politécnico de Lisboa no âmbito de um programa de mobilidade internacional para a realização de parte de um ciclo de estudos de uma instituição de ensino superior estrangeira com quem o Politécnico de Lisboa tenha estabelecido acordo de intercâmbio com esse objetivo.

Os candidatos a cursos de licenciatura/graduação têm de ser titulares de que diplomas/habilitações?

  • Diploma do ensino secundário português ou
  • Diploma de habilitação legalmente equivalente ao ensino secundário português ou
  • Titulares de uma qualificação que dê acesso ao ensino superior no país de origem;
  • estabelecido acordo de intercâmbio com esse objetivo.

Os candidatos a cursos de mestrados têm de ser titulares de que diplomas/habilitações?

a) Titulares do grau de licenciado ou equivalente legal ou
b)
Titulares de um grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios de Bolonha por um Estado aderente a este Processo ou
c)
Titulares de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo órgão científico estatuariamente competente da instituição de ensino superior onde pretende ser admitido ou
d)
Detentores de um currículo escolar, cientifico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo órgão científico estatuariamente competente da instituição de ensino superior onde pretende ser admitido.

Quais são as condições de ingresso?

  • Qualificação académica específica nas áreas do saber requeridas para o ciclo de estudos a que se candidatam;
  • Nível de conhecimentos da língua portuguesa ou outra língua em que o ensino venha a ser ministrado; 
  • Satisfaçam os pré-requisitos fixados para o ciclo de estudos em causa no âmbito do regime geral de acesso e ingresso no ensino superior.

O que são os pré-requisitos dos cursos?

São condições de natureza física, funcional ou vocacional que assumem particular relevância para acesso a determinados cursos do Politécnico de Lisboa. Compete a cada unidade orgânica decidir se a candidatura a algum dos seus cursos deverá estar sujeita à satisfação de pré-requisitos e fixar o seu conteúdo.

No caso da licenciatura/graduação, que provas é que o candidato tem de fazer?

  • Se for titular de um curso de ensino secundário português tem de realizar as provas de ingresso, concretizando-se através da realização de exames finais nacionais do ensino secundário;
  • Para os estudantes titulares de cursos não portugueses legalmente equivalentes ao ensino secundário português podem realizar provas de ingresso portuguesas, como aluno autoproposto. As provas de ingresso portuguesas são realizadas em Portugal ou numa escola portuguesa no estrangeiro, devendo o candidato inscrever-se nas mesmas condições e prazos legal e regularmente previstos e divulgados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) do Governo Português.
  • As provas de ingresso podem ser substituídas por exames finais de disciplinas daqueles cursos, se tiverem âmbito nacional e quando se referem a disciplinas homólogas das provas de ingresso. (Consideram-se homólogas as disciplinas que, ainda que com denominações diferentes, tenham nível e objetivos idênticos e conteúdos similares aos do programa da prova de ingresso que visam substituir)
  • As provas de ingresso podem ainda ser substituídas por exames elaborados pelas unidades orgânicas sobre matérias sobre as quais incidem as provas de ingresso nacionais.

As classificações das provas de ingresso nacionais e dos exames estrangeiros são válidos no ano da sua realização e nos dois anos seguintes. Para cada curso só podem ser utilizados como provas de ingresso em que seja obtida uma classificação igual ou superior à classificação mínima fixada por essa instituição para esse curso.

Qual é o nível de conhecimento da língua que o estudante internacional deve ter?

  • Utilizador independente da língua portuguesa ou de outra língua em que seja ministrado o ensino, correspondente ao nível B2, de acordo com o Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas (QECRL)).
  • Os candidatos internacionais que possuam apenas um domínio da língua portuguesa, ou de outra língua em que é ministrado o ensino, equivalente ao nível B1, de acordo com o QECRL, podem candidatar-se ao presente concurso de acesso, desde que se comprometam a frequentar um curso de português língua estrangeira, ou de outra língua em que é ministrado o ensino,  ficando a confirmação da inscrição na unidade orgânica dependente da obtenção do nível B2 dessa língua.
  • Se o candidato tiver como condição de acesso um diploma de ensino secundário português, ou um diploma de habilitação legalmente equivalente a este na língua em que o ensino vai ser ministrado, fica dispensado de demonstrar o conhecimento dessa língua.

Onde podem frequentar o curso de português língua estrangeira?

O Centro de Línguas e Cultura (CLiC) do Politécnico de Lisboa organiza cursos de Língua Portuguesa em duas modalidades: curso intensivo a realizar antes do início do semestre ou curso normal a realizar durante o semestre implicando a frequência do curso o pagamento de anuidade

Como se procede a candidatura?

A candidatura será feita online.

Quais os documentos necessários para a candidatura?

Ao preencher a sua candidatura necessitará de fazer upload dos seguintes documentos:

  • Fotocópia do passaporte ou do documento de Identidade Estrangeiro;
  • Declaração sob, compromisso de honra, de que o candidato não tem nacionalidade portuguesa nem está abrangido por nenhuma das exceções definidas;
  • Documento comprovativo da conclusão do ensino secundário português ou equivalente * (ENEM, em caso de estudantes brasileiros)
  • Diploma comprovativo de conhecimento da língua em que o ensino vai ser ministrado correspondente ao nível B2 de acordo com o QECRL ou declaração emitida se forem frequentar o curso de português língua estrangeira*;
  • Outros documentos solicitados pelas unidades orgânicas.

Licenciatura/Graduação:

  • Documento comprovativo da conclusão do ensino secundário português ou equivalente (ENEM, em caso de estudantes brasileiros), no caso de candidatura a cursos de licenciatura/graduação.

Mestrado:

  • Certificado de Habilitações com o discriminativo das disciplinas, créditos ou cargas horárias e respetivas notas (documento devidamente autenticado pelo agente consular português no país de origem do diploma e/ou legalizados pela Apostila de Haia, nos termos da Convenção relativa à Supressão da Exigência da Legalização de Atos Públicos Estrangeiros assinada, em Haia, a 5 de outubro de 1961);
  • Curriculum Vitae detalhado;
  • Carta de motivação e cartas de recomendação quando existam.

No final da candidatura, ser-lhe-á pedido que efetue um pagamento. Para que atos académicos como a candidatura a um curso ou a matrícula e inscrição no curso em que foi colocado sejam aceites, é necessário proceder ao pagamento das respectivas taxas académicas aplicáveis.

* Os documentos devem ser traduzidos sempre que não forem emitidos em português, inglês, francês ou espanhol, e visados pelo serviço consular ou apresentados com a Apostilha de Haia pela autoridade competente do Estado de onde é originário o documento.

Como é que é feita a seriação dos candidatos?

É feita por ordem decrescente da classificação final.

Como é que é calculada a nota de candidatura?

  • Classificação do ensino secundário;
  • Classificação das provas de ingresso;
  • A fórmula de cálculo da nota de candidatura para este concurso especial é a correspondente à fórmula de cálculo para a candidatura para cada ciclo de ciclo de estudos fixada anualmente para o concurso nacional de acesso.

Nota mínima para Candidatura

O Politécnico de Lisboa aceita candidaturas de estudantes brasileiros que realizaram o ENEM em 2018 ou que o tenham feito nos 3 anos anteriores (2017, 2016 ou 2015) e que detenham diploma do Ensino Médio. O Politécnico de Lisboa exige um mínimo de 500 pontos na prova de redação e pelo menos 475 pontos em cada uma das restantes provas do Exame Nacional do Ensino Médio.

Os estudantes devem possuir qualificação académica específica, nas áreas do saber exigidas para o curso a que se candidatam ou estarem disponíveis para a realização de provas.

Essa qualificação é comprovada mediante apresentação de prova documental no momento da candidatura.

Onde é que são publicados o calendário e os resultados do concurso ?

O calendário do concurso e a lista de seriação dos candidatos são divulgados no sítio na Internet do Politécnico de Lisboa e respetivas unidades orgânicas.

Como se procede à matrícula e inscrição?

Os candidatos admitidos devem realizar a sua matrícula e inscrição no prazo fixado no calendário. A matrícula implica também a inscrição do estudante e está sujeita ao pagamento do emolumento previsto na tabela do Politécnico de Lisboa. Não é devolvido o pagamento do emolumento feito pela matrícula e inscrição, em caso de desistência.

Qual é o valor da propina (e outros custos)?

O valor da propina anual de inscrição é fixado para cada ciclo de estudos, pelo Conselho Geral, sob proposta do Presidente e o seu pagamento é devido, na totalidade no ato da matrícula e inscrição.

Para alunos nacionais de um estado membro da CPLP, o valor da anuidade pode ter um desconto até 50% do respetivo valor.

ÁreasValor das propinas
Área de Gestão, Comunicação e Educação3.300 €
Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa
Escola Superior de Comunicação Social
Escola Superior de Educação de Lisboa
Área Tecnologias, Saúde6.100 €
Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa
Área das Artes6.900€
Escola Superior de Dança
Escola Superior de Música de Lisboa
Escola Superior de Teatro e Cinema

Taxas associadas (Emolumento)

Taxa de Candidatura102,50€
Taxa de Inscrição40,00€ / ano

* As informações não dispensam a consulta da legislação respetiva

Informação prática

Alojamento

O Gabinete de Relações Internacionais e Mobilidade Académica (GRIMA) fornece todas as informações e orientações necessárias antes da chegada do estudante e assistência concreta após a sua chegada.

Contactar: grima@sp.ipl.pt

Visto

Para entrar em território Português, todos os cidadãos provenientes de países não-membros da União Europeia devem:

  • Ser detentor de válido que seja adequado para o propósito da visita. Este visto deve ser solicitado numa missão diplomática Portuguesa ou posto consular permanente no exterior num prazo de antecedência de cerca de 4 meses antes da concretização da matrícula.
  • Ter meios de subsistência suficientes para o período de estadia.
  • Não estar sujeito a qualquer alerta emitido no Sistema Integrado de Informações do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras)  ou no Sistema de Informação Schengen.

Seguro de Saúde

Os estudantes de fora da UE ou EEE devem certificar-se, antes de viajarem, de que têm um seguro de saúde, que lhes garanta assistência médica durante a estada em Portugal. Em particular, os estudantes brasileiros, vinculados à segurança social brasileira, poderão solicitar o formulário PB4 junto da instituição competente no Brasil, para beneficiarem dos cuidados de saúde em Portugal, em condições de igualdade com os nacionais portugueses.

Dia de acolhimento

No início de cada semestre, o GRIMA em cooperação com cada Unidade Orgânica organiza um dia de acolhimento especialmente dedicado aos estudantes estrangeiros a estudar no Politécnico de Lisboa. Durante esta iniciativa os estudantes participam num conjunto de atividades variadas de cariz académico, informativo, social e cultural.  Neste contexto, ficarão a conhecer as equipas dos Gabinetes Internacionais, os coordenadores académicos e os restantes estudantes estrangeiros.

Custo de vida

O nível de vida em Lisboa é mais baixo do que noutras capitais europeias. Os estudantes estrangeiros devem considerar alguns custos básicos mínimos por mês de cerca de €600 a €700. Alguns valores de referência:

Alojamento€250,00 a €350,00
Transportes:€36,00
Refeição na cantina universitária€2,40
Refeição num restaurante económico:€7,00

Para mais informações e esclarecimentos sobre o ingresso no Politécnico de Lisboa, contacte o Gabinete de Relações Internacionais e Mobilidade Académica:

Campus de Benfica do IPL
grima@sp.ipl.pt
+351 210 464 762

Horário presencial e telefónico:

10h00 -12h00 / 14h30-16h30 (Seg. a Sex.)

Existem programas de financiamento de bolsas?

european funding guide

Sim, o www.european-funding-guide.eu (Guia de Financiamento Europeu) é a maior plataforma online da UE, com acesso gratuito, destinada aos estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento, com o objetivo de encontrar apoio financeiro.

Os 12.000 programas de apoio disponíveis cobrem um vasto leque de domínios para os quais os estudantes do ensino superior podem requerer apoio financeiro, desde despesas diárias, propinas e estágios a custos extra para semestres no estrangeiro, cursos de línguas e custos associados a projetos científicos.

A plataforma funciona através de um algoritmo que apresenta apenas as bolsas, financiamentos e prémios que correspondem ao perfil individual de cada estudante.