Instituto Politécnico de Lisboa

O engenheiro do ISEL é campeão europeu

ISEL

11 Julho 2016

O engenheiro do ISEL é campeão europeu

Fernando Santos, o líder da equipa, que sagrou Portugal, este domingo, campeão da Europa, pela primeira vez, formou-se em engenharia electrónica e telecomunicações no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa.

O selecionador nacional tinha apenas 19 anos quando ingressou no ISEL, terminou o curso em 1977.

Começou cedo a jogar à bola na rua por brincadeira, fez parte da selecção da Escola Afonso Domingos, onde treinava duas vezes por semana. Na altura pensava exlusivamente em "ir para o ISEL, fazer engenharia", disse, recentemente, ao jornal "A Bola".

Já tinha entrado no ISEL quando foi a um torneio de captação no Estádio da Luz. Foi convidado para jogar no Benfica. Para além dos mil escudos que ia receber por mês, pagavam-lhe os estudos superiores. A família não reagiu muito bem, mas o selecionador nacional fez um acordo com o pai, se chumbasse abandonava o futebol.

Foi titular, durante uma época inteira, no campeonato de juniores pelo Benfica. Foram eliminados nas meias-finais, frente ao Sporting. No estádio da Luz, perderam 3-1, e um dos golos foi culpa de Fernando Santos, razão pela qual foi lhe exigido dois treinos diários. Estáva numa fase de exames no ISEL. Fernando Santos não aguentou o esforço físico e acabou por ser dispensado. Foi jogar para Alvalade, era o guarda-redes suplente, mas também não ficou por lá.

Durante dois anos esteve no Estoril. Recém-casado e com dificuldades financeiras, decidiu tornar-se profissional de futebol. Foi jogar para o Marítimo, para a Madeira. Durante um ano dedicou-se exclusivamente à modalidade. Questões familiares trouxeram-no de novo para o Estoril onde recebeu uma proposta profisional aliciante. Para além de ir jogar, prometeram-lheum emprego na área  de engenharia eletrónica e telecomunicações. O que o obrigou a regressar à Madeira para uma estágio no Madeira Palácio, ganhando a experiência necessária para se tornar o diretor dos serviços técnicos no Hotel Palácio, no Estoril, onde exerceu funções até 1998. Coordenou uma equipa de 40 funcionários de 12 profissões diferentes.

Texto V.G.

notícia "Expresso"

notíca "A Bola"