Instituto Politécnico de Lisboa

Um 2019 em alta para a Escola Superior de Teatro e Cinema

ESTC

21 Agosto 2019

Escola Superior de Teatro e Cinema

Foram mais de uma dezena os prémios atribuídos a diplomados e docentes da escola artística do Politécnico de Lisboa, nas áreas de Teatro e Cinema, ao longo de 8 meses. Para além dos muitos galardões foram vários os trabalhos selecionados pelos grandes certames de cinema para estreia ou exibição.

Joana Niza Braga

O ano começou em grande com Joana Niza Braga, diplomada em Cinema, a ser distinguida, em fevereiro, pelo trabalho no documentário “Free Solo”, como ‘foley mixer’ pelos norte-americanos Cinema Audio Society (CAS) Awards, que premeiam filmes tendo em conta apenas o som. O trabalho do National Geographic, dias mais tarde venceu um Óscar e um Bafta para Melhor Documentário de 2019.

Em março, a Academia Portuguesa de Cinema distinguiu uma docente, quatro diplomados e uma pós-graduada da ESTC, na cerimónia do Prémios Sophia 2019. "Raiva” foi grande vencedor da 7.ª edição dos prémios atribuídos pela Academia Portuguesa de Cinema, tendo conquistado seis Prémios Sophia. Fátima Ribeiro, docente e professora especialista da ESTC, foi uma das responsáveis pela adaptação da obra "Seara do Vento”, de Manuel da Fonseca.

Prémios Sophia

Os Prémios Sophia distinguiram ainda os diplomados Miguel Gonçalves Mendes, com o Melhor Documentário “O Labirinto da Saudade”; João Braz, pela Montagem do filme "Soldado Milhões"; Marco Martins pela Melhor Série/Telefilme "Sara"; António Aleixo, pelo Melhor Documentário em Curta-Metragem "Kid Sapiens Sapiens". Maria Gonzaga, pós-graduada em Design de Cena pela Escola Superior de Teatro e Cinema foi a vencedora do Melhor Guarda-Roupa, com o filme "Parque Mayer", de António-Pedro Vasconcelos.

Joaquim Sapinho

Em maio, Liberté do realizador Albert Serra, coproduzido pela Rosa Filmes de Joaquim Sapinho, docente da ESTC, recebeu o Prémio Especial do Júri de Un Certain Regard, a secção oficial paralela do Festival de Cannes, para onde são canalizados os filmes que não tiveram lugar na competição pela Palma de Ouro, mas que pela qualidade, ousadia ou relevância estética ou temática merecem exibição no festival.

Jorge Jácome

O realizador português Jorge Jácome, diplomado da Escola Superior de Teatro e Cinema, voltou a vencer, em junho, a competição internacional do Festival de Curtas-Metragens de Hamburgo, desta vez com o filme Past Perfect, depois da conquista, em 2018, com a curta-metragem Flores. O trabalho do jovem realizador, teve a estreia mundial de Past Perfect, no Festival de Berlim, na secção Berlinale Shorts, em Fevereiro

Filme Ave Rara

No mês seguinte, o Curtas Vila do Conde elegeu para melhor filme da competição nacional deste ano, "Ave Rara", do português Vasco Saltão, formado pela Escola Superior de Teatro e Cinema. A escola artística do Politécnico de Lisboa também venceu na secção Take One!, dedicada às escolas de cinema, com "Em Caso de Fogo", de Tomás Paula Marques. Já Leonor Noivo teve filme premiado no Festival de Marselha.

Vitalina e Pedro Costa

Há dias foi anunciada a atribuição a Pedro Costa do Leopardo de Ouro, em Locarno. O cineasta de 60 anos, diplomado da Escola Superior de Teatro e Cinema, conquistou o mais importante prémio do Festival de Cinema que se realiza na Suiça, com o filme "Vitalina Varela" (2019). O filme teve estreia mundial em Locarno. Pedro Costa já em 2014, tinha recebido o prémio de melhor realização com o filme “Cavalo Dinheiro” no Festival de Locarno. O prémio valeu ao , felicitações do Presidente da República, do primeiro-ministro e da ministra da Cultura.

Também em agosto, “Em caso de fogo”, a curta-metragem produzida pela ESTC, de Tomás Paula Marques, foi selecionada para o Festival de Cinema de San Sebastián, em Espanha, no âmbito da competição estudantil do evento que se realiza em setembro.

Texto de CSS/GCI IPL