Passar para o conteúdo principal
imagem de um avião a sobrevoar dois edíficios
Relações Internacionais
Submetido por csilva@sp.ipl.pt a 28 July 2021

No Politécnico de Lisboa a internacionalização é um imperativo institucional e poderoso instrumento de reflexão e melhoria contínua do desempenho e definição da identidade própria linhas de ação prioritárias (1).

A internacionalização é um eixo estratégico de desenvolvimento do Politécnico de Lisboa potenciando as parcerias existentes e procurando novas formas de colaboração internacional.

Com vista à implementação e consolidação da estratégia de internacionalização do IPL, o Gabinete de Relações Internacionais e Mobilidade Académica (GRIMA) assegura de forma integrada, com todas as unidades orgânicas, a coordenação e desenvolvimento das atividades de cooperação internacional (competências GRIMA) (2).

A mobilidade de estudantes, docentes e funcionários no âmbito do programa ERASMUS + (3) tem crescido nos últimos anos.

É, hoje, possível realizar uma experiência de mobilidade internacional escolhendo de entre cerca 500 instituições parceiras.

Image
folheto institucional do IPL
Brochura institucional em língua inglesa

Linhas de ação prioritárias

  • Nova perspetiva e estratégia de ação internacional do Politécnico de Lisboa e das unidades orgânicas;

  • Maior visibilidade internacional;

  • Opções estratégicas com mecanismos propostos de forma orientada;

  • Partilha eficaz de recursos centralizando os procedimentos comuns, normalizando-os e verificando-os;

  • Regulamento para a Mobilidade Internacional do IPL, incluindo o articulado de procedimentos e todas as condições legais impostas pela Carta Europeia;

  • Manual de Boas Práticas com linhas claras de ação em aspetos mais concretos com seja o sistema de reconhecimento académico ou de acumulação de créditos em período de mobilidade;

  • Reforço da internacionalização das atividades de investigação & desenvolvimento, em sinergia com o Gabinete de Projetos Especiais e Investigação (GPEI);

  • Reforço na participação em redes e projetos que promovam a empregabilidade (consórcios e parcerias estratégicas com empresas e outras organizações);

  • Reforço da mobilidade na Europa e alargamento de fronteiras para países terceiros, nomeadamente países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP);

  • Pesquisa de linhas de financiamento que garantam a sustentabilidade da estratégia;

  • Investimento em redes temáticas.